domingo, 22 de maio de 2011

...

Um amigo que veio de longe só pra tocar comigo no casamento do meu irmão, junto com outro quase irmão que mora aqui e foi tocar conosco no mesmo casamento. Eu na igreja, acompanhado de quem amo, assistindo como padrinhos ao casamento do meu irmão, ao lado de nossos pais, familiares e amigos. Uma festa feita de emoção junto a pessoas com quem sempre se quer estar. Um novo amigo que manda lembranças de Asunción e outro, dos velhos e bons, que liga do Rio pra dizer que está com saudades nossas. Um amigo que está com o pai doente e ainda acha que precisa justificar sua ausência na festa. O amigo mais antigo que vem do exterior e faz questão de reunir os amigos daqui. Tudo isso num mesmo final de semana. Eu já me perguntei sobre o que eu tenho de mais valor e quanto isso vale. Hoje eu sei o que é isso, mas não é algo que eu tenha, está em outras pessoas e eu só tenho a sorte de compartilhar isso com elas. Quanto vale? Vale o que se chama de Felicidade.

domingo, 8 de maio de 2011

Navegar é preciso...

Já dizia o Pessoa: viajar é preciso, viver não é preciso...Bem, este ano estou me sentido um verdadeiro navegante, depois de passar mais tempo em viagens do que em casa, e posso confirmar a validade da máxima do grande escritor português. Fosse a trabalho, férias ou para estudar, as viagens que fiz neste pouco tempo, e as que já havia feito antes, sempre me renderam muito mais que boas fotos e souvenirs. Os diferentes lugares que se conhece e as suas diferenças do nosso lugar, a necessidade e também a satisfação de conseguir se comunicar num outro idioma, os pequenos desafios que toda viagem sempre impõe, os hábitos locais aos quais temos que nos adaptar, a experiência - às vezes não muito feliz - de degustar novas comidas e bebidas, a música típica que se ouve nos táxis e nas ruas, a saudade de casa que faz lembrar o quanto significam as pessoas a que mais queremos, enfim, tudo isso nos enriquece e nos torna melhores, porque sempre voltamos diferentes do que quando fomos. Mas, SOBRETUDO, as novas amizades que fazemos e os velhos amigos que pudemos rever é o que enche nossa mala com os maiores presentes quando embarcamos de volta, certos que o mundo está cada vez menor porque teremos mais casas pra nos receber ao redor dele...

Tô voltando!