sábado, 31 de julho de 2010

Luanda by car

Pra quem quiser sentir um pouco do que foi andar pelas ruas de Luanda, segue o vídeo abaixo. Estamos numa van lotada de estrangeiros de todo o lugar do mundo indo pra Feira Internacional de Luanda-FILDA, passando pelo trânsito caótico da cidade, o comércio de beira de estrada, a sujeira e sucatas, as mulheres carregando coisas na cabeça, candongas (vans azuis e brancas de transporte público), enfim, um cenário bem diferente do que estamos acostumados a ver. Aproveite!



terça-feira, 27 de julho de 2010

Diários de viagem África 2010 - Luanda

Tive a grande oportunidade de conhecer dois países da África a trabalho: Angola e África do Sul. Na verdade, na verdade, duas cidades, respectivamente Luanda e Joannesburgo. Vou tentar transmitir aqui um pouco das impressões que tive desses lugares tão diferentes entre si dentro do continente africano.

Pra começar, LUANDA/ANGOLA.

Quem já não ouviu falar que há "Brasis" diferentes dentro do Brasil? Pois é, Luanda tem contrastes radicais dentro de si mesma, onde a extrema pobreza e o caos urbano da maior parte da cidade convivem com bairros extremamente ricos e com a pujança da onda de investimentos que transforma o país.

No meu caso, tive oportunidade de ver a parte mais carente de Luanda, quando passávamos para atender aos compromissos profissionais da viagem, onde a população negra extremamente pobre vaga por suas ruas em péssimo estado; habitações precárias feitas de blocos de cimento e telhas de zinco seguras por pedras; muitas pessoas sem trabalho vivendo do comércio informal na beira das ruas, onde se encontra de tudo - desde roupas, cosméticos, frutas e verduras, até pedaços de frango assados com pó e sabe lá mais o quê -; um trânsito caótico de ruas congestionadas por caminhões e carros (velhos e novíssimos), em que dirigir na contra-mão é normal; lixo, esgotos abertos e sucatas de carros por todo o lado; mulheres carregando todo o tipo de coisas na cabeça; e gente pacífica que parece conviver bem com aquilo que é quase absurdo para a realidade que conhecemos.

Mas, enfim, é difícil descrever a sensação de percorrer a "grande Luanda" pra quem não esteve lá. Por isso, seguem as imagens abaixo que falam por si...












sábado, 17 de julho de 2010

Angola, Congo, Benguela...




Partindo amanhã pra Angola a serviço da nossa gloriosa IMAP, com muita curiosidade sobre o que irei encontrar nesse país africano pós-revolução e pré-desenvolvimento, mas com toda a vontade de botar o pé na estrada e ver os contrastes de perto - como é necessário para qualquer bom viajante.

Até a volta!

sábado, 10 de julho de 2010

A sedução

Qual o mecanismo da sedução? Qual o segredo que leva alguém a ser atraído, ou a atrair alguém? A receita da sedução vem da beleza de quem seduz? Serão os olhos ou o jeito de olhar? A boca, o beijo, o jeito de andar? É a juventude ou, ao contrário, a experiência? A voz, ou o que se diz? É a maravilhosa capacidade de fazer o outro rir, ou a seriedade que intriga? É o toque, o carinho preciso, ou a força, a boa pegada? A inteligência, ou a superficialidade é suficiente? É uma luz, um dom, um carisma, como uma sorte ou uma predestinação? Também não sei, embora tenha minhas teorias boas de discutir com os amigos numa mesa de bar. Mas o assunto é o gancho para lembrar de Vinícius de Moraes, que nos deixou há 30 anos e que não era jovem, não era lindo, não tinha um corpo escultural, que o cigarro e o uísque parceiros permitem supor que não fosse lá grande coisa na alcova... de voz fraquinha e que falava pouco, mas como dizia coisas! Que, enfim, levou consigo o segredo de um grande sedutor, casado nove vezes - cada uma delas eternos amores, enquanto duraram -, com mulheres lindas e de grande personalidade, e que de lambuja arrebatou todo um país com suas letras transformadas em músicas maiores nas parcerias "amorosas" com Jobim, Toquinho, Powell e tantos outros parceiros, para mostrar que o amor, como a música, somente são fiéis a si próprios. E, o mais importante, seduzem e se deixam seduzir...

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Viva Cazuza!




Em mais uma da série "merecidas homenagens", não posso deixar passar os 20 anos (!) da morte do Cazuza, completados esta semana. Na minha opinião e gosto, e mesmo admirando Renato Russo e Raul Seixas, o Cazuza foi o grande poeta do pop-rock nacional, com suas letras tocantes e corajosas, que vão desde a romântica "Codinome Beija Flor" até a impiedosa "Só as Mães são Felizes". E coragem nunca faltou para esse verdadeiro rebelde do rock brazuca, sempre desafiando a hipocrisia e a injustiça da sociedade brasileira da época (ou de sempre) - coisa que ninguém faz hoje com a mesma qualidade e repercussão-, além de expressar como poucos os mistérios do coração humano. Viveu pouco assim como vivem pouco os grandes artistas, que se consomem na própria intensidade da arte que exercem. Mas, ainda bem, conseguiu realizar seu trabalho num momento em que a música pop brasileira ainda não estava tão presa a fórmulas e esquemas puramente comerciais, permitindo que sua originalidade fosse preservada na versão final de suas músicas. Por isso, conhecer a obra de Cazuza não é apenas recomendável, é essencial!

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Bye, bye Brasil...

Acabou agora há pouco a Copa da África para o Brasil. Não acho que seja o caso de "malhar o Judas" porque, na minha opinião de torcedor, o Brasil fez o que pode, mas realmente não tinha o melhor time. Também sou daqueles que acham que não levamos o melhor que dispúnhamos. Pra mim o Ronaldinho tinha de estar lá, o Ganso e até mesmo o Adriano. Esse negócio de não levar jogador por critério de "harmonia" do grupo pode até ser o certo para uma competição de longo período, mas não para um torneio curto como uma Copa. Ali, devem estar os melhores de um país e ponto. Mas mesmo com esses que não foram talvez o resultado fosse o mesmo, pois os ausentes também eram muito contestados. Além disso, ao contrário de outros mundiais, não vi no Brasil nenhum grande jogador em quem o time confiasse e os adversários temessem - poderia ser o Cacá, mas não foi. De outro lado, vejo grandes times como a própria Holanda, Alemanha e Argentina que parecem mais fortes dessa vez. Enfim, é duro perder, mas, sendo bastante realista, era bem mais duro ganharmos essa Copa...sendo assim, até 2014!